INFOGRÁFICO: Veja evolução da velocidade do afundamento e da profundidade do solo em Maceió até o rompimento sob lagoa

Profundidade do solo já chegava a 2,35 m na manhã de domingo (10). Mina da Braskem se rompe em trecho da Lagoa Mundaú, em Maceió
Antes de parte da mina 18 da Braskem, em Maceió (AL) , romper no domingo (10), o afundamento da superfície no local tinha atingido 2,35 metros de profundidade desde o dia 30 de novembro, quando a medição passou a ser feita.
O rompimento pôde ser percebido em um trecho da Lagoa Mundaú, no bairro do Mutange. Imagens divulgadas pela Prefeitura mostram o reflexo do rompimento na lagoa.
Nos infográficos abaixo, veja a evolução da velocidade do afundamento e da profundidade da região.

Em 24 horas, a superfície da mina cedeu 12,5 cm. Apesar disso, o boletim divulgado mais cedo apontou para uma nova desaceleração no ritmo da movimentação do solo, com a velocidade indo de 0,54 cm/h para 0,52 cm/h.
A mina e todo o seu entorno estão desocupados desde o primeiro aviso de risco de colapso na região, divulgado no dia 29 de novembro. Ao g1, o coordenador da Defesa Civil de Maceió, Abelardo Nobre, descartou o risco de novos rompimentos na área.
“Não existe o risco de ser ampliado (rompimento), pelo contrário, agora vai entrar em um ritmo de desaceleração. O que aconteceu já estava dentro da área de previsão. Foi algo isolado e as outras áreas que estão sendo monitoradas por sensores não apresentaram nenhuma alteração. Pela imagens, foi uma medição pequena”, disse Abelardo Nobre.
De acordo com o coordenador da Defesa Civil Municipal, os técnicos estão avaliando os danos ambientais causados pelo rompimento de parte da mina.
“Podemos dizer que houve um tremor pequeno, mas isso foi antes do rompimento. Agora vamos continuar monitorando a área e avaliar os danos ambientais. Reforçar também para as pessoas ficarem longe do local”.
O presidente da Câmara Federal, deputado Arthur Lira (PP), disse em seu perfil nas redes sociais que está monitorando junto aos órgãos responsáveis os efeitos do colapso da mina 18. “Já cobramos medidas técnicas eficazes, ações sociais e reparações financeiras para que Maceió e o povo atingido não sejam ainda mais prejudicados. Continuaremos em atenção”.
Em outro vídeo divulgado pela Prefeitura (assista abaixo), é possível ver a proximidade do rompimento de parte da mina da margem da lagoa.
Rompimento de mina da Braskem é sentido na lagoa Mundaú
LEIA TAMBÉM
INFOGRÁFICO: Entenda o risco de colapso das minas da Braskem
CRONOLOGIA: Das rachaduras em ruas e imóveis ao colapso das minas
O que é o sal-gema? Conheça o motivo da mineração que causou o afundamento do solo em Maceió
A mina sob risco é uma das 35 que a Braskem mantinha na região para extração de sal-gema. Em cinco anos, desde que surgiram as primeiras rachaduras em casas e nas ruas por causa da mineração realizada na região pela Braskem, mais de 14 mil imóveis tiveram que ser evacuados em cinco bairros, afetando cerca de 60 mil pessoas.
Veja os vídeos mais recentes do g1 AL
Confira outras notícias da região no g1 AL

Adicionar aos favoritos o Link permanente.