Israel acusa o Hamas de lançar foguetes de dentro da área determinada como segura para fins humanitários


Os confrontos entre as tropas israelenses e o Hamas continuam por toda a Faixa de Gaza. Faixa de Gaza tem mais um dia de conflitos.
TV Globo/Reprodução
O Governo de Israel fez um novo pedido para que civis deixem o sul de Gaza por causa da intensificação do conflito na região.
Imagens mostram a entrada de ajuda humanitária em Rafah, na fronteira de Gaza co o Egito. Palestinos pulam sobre a caçamba em movimento e retiram caixas de carregamentos. Enquanto isso, na passagem de Kerem Shalom, na fronteira entre Israel, Egito e Gaza, está sendo testado um novo processo para inspecionar ajuda que chega ao território em conflito.
“Antes da crise, 500 caminhões, pelo menos, entravam todos os dias, a maior parte por Kerem Shalom”, disse o diretor do Programa Mundial para Alimentos”, diz Carl Skau, diretor do Programa Mundial de Alimentos.
Os confrontos entre as tropas israelenses e o Hamas continuam por toda a Faixa de Gaza. O Exército de Israel afirmou que destruiu túneis utilizados pelo Hamas no Norte de Gaza e que atacou terroristas que atiravam contra as tropas de dentro de uma escola das Nações Unidas e de uma mesquita.
Segundo Israel , o Hamas está lançando foguetes de dentro da área determinada como segura para fins humanitários, onde os civis têm proteção.
Representantes do Kibbutz Be’eri confirmaram a morte do israelense Sahar Baruch, de 25 anos. Ele foi sequestrado pelo Hamas no dia 7 de outubro e levado do Kibbutz onde morava para Gaza. Nesta sexta (8), o Hamas divulgou um vídeo que mostra Sahar vivo, em Gaza, três semanas atrás. Segundo o grupo terrorista, o jovem morreu durante uma tentativa de resgate pelo Exército de Israel.
O Exército não confirmou essa informação, mas disse que dois soldados ficaram seriamente feridos em uma tentativa de resgate de refém em Gaza. “Nós ainda estamos verificando e investigando os detalhes de onde ele foi assassinado”, disse o porta-voz do Exército de Israel, Daniel Hagari.
Em Tel Aviv, milhares marcham pedindo a libertação dos reféns.
Grupos de direitos humanos reagiram à decisão dos Estados Unidos de vetar nesta sexta (8) um pedido do Conselho de Segurança da ONU para um cessar-fogo:
A diretora dos Médicos Sem Fronteiras disse que a decisão faz dos Estados Unidos “cúmplices na carnificina em Gaza”.
Neste sábado, o Fundo das Nações Unidas para a Infância informou que cerca de 1 milhão de crianças foram deslocadas de casa, na Faixa de Gaza, por causa da Guerra.

No Vaticano, o Papa Francisco lembrou da situaç]ao dramática dos moradores da Terra Santa, especialemte crianças e os pais delas que, segundo ele, pagam a conta verdadeira da guerra.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.