‘Trabalhar no feriado para arrumar a casa e fugir da polícia’, diz Renato Cariani a sócia em mensagem interceptada pela Polícia Federal


PF interceptou trocas de mensagens entre Cariani e sua sócia que apontam, segundo o inquérito, que eles tinham conhecimento do monitoramento feito pela polícia. Autoridades cumprem mandados na Anidrol, indústria química que tem como sócio o influenciador fitness. Ele nega envolvimento e diz ter sido surpreendido pela operação. Influencer é alvo de operação da PF que mira tráfico de drogas e desvio de produto químico
A Polícia Federal iniciou, na manhã desta terça-feira (12), a Operação Hinsberg contra o tráfico de drogas e o desvio de um produto químico usado na produção de crack. Segundo investigadores, o principal alvo é a Anidrol, indústria química que fica na Grande São Paulo e tem como sócio o influenciador fitness Renato Cariani.
O influenciador, que tem mais de 7 milhões de seguidores, também é alvo de buscas. O Ministério Público e a PF chegaram a pedir a prisão dele e de mais duas pessoas, mas a Justiça negou.
A PF interceptou algumas trocas de mensagens entre Cariani e sua sócia. Apesar de antigas, as mensagens apontam, segundo o inquérito, que eles tinham conhecimento do monitoramento por parte da polícia. O influencer afirmou, em vídeo divulgado nesta terça, ter sido surpreendido pela operação da PF (leia mais abaixo).
Segundo a investigação, em uma das conversas, Cariani disse:
“Poderemos trabalhar no feriado para arrumar de vez a casa e fugir da polícia”. Pelo contexto do diálogo, os investigadores dizem que o fisiculturista sabia que era investigado.
Influencer fitness Renato Cariani
Reprodução/Instagram/@renato_carian
Fontes da PF disseram à GloboNews que, mesmo chamado pela Receita Federal para dar esclarecimentos sobre as notas emitidas pela empresa, os agentes observaram que as notas falsas continuaram a ser emitidas.
Em outra troca de mensagens, de acordo com uma representação do Ministério Público de São Paulo, a sócia disse a Cariani que era possível retirar rótulos dos produtos para ludibriar a fiscalização e as investigações.
Cariani afirmou, em suas redes sociais, ter sido surpreendido com a operação e que sua empresa é toda “regulada” (veja abaixo).
Oscar Hinsberg que deu nome à operação, foi um químico que percebeu a possibilidade de converter compostos químicos em fenacetina. Essa substância foi o principal insumo químico desviado, apontou a investigação.
PF explica como começou a investigação contra empresa do influenciador Renato Cariani
O que dizem os alvos
Pelas redes sociais, o influenciador negou envolvimento no esquema e disse que foi surpreendido pela operação da PF. Ele também afirmou que seus advogados ainda não tiveram acesso ao processo.
Quem é Renato Cariani, influencer do mundo fitness alvo de operação da PF
Quem é Renato Cariani, influencer fitness alvo de operação da PF contra tráfico de drogas
ENTENDA: Como agiu empresa de Renato Cariani, suspeita de desviar produtos químicos para produzir crack
“Fui surpreendido com um mandado de busca e apreensão da polícia na minha casa, onde eu fui informado que não só a minha empresa, mas várias empresas estão sendo investigadas num processo que eu não sei, porque ele corre em “processo de justiça” [sic]. Então, meus advogados agora vão dar entrada pedindo para ver esse processo e, aí sim, eu vou entender o que consta nessa investigação”, afirmou.
Influenciador nega envolvimento em esquema de desvio de produtos químicos para o tráfico
Na mensagem, ele defende a empresa da qual é sócio.
“Eu sofri busca e apreensão porque eu sou um dos sócios, então, todos os sócios sofreram busca e apreensão. Essa empresa, uma das empresas que eu sou sócio, está sofrendo a investigação, ela foi fundada em 1981. Então, tem mais de 40 anos de história. É uma empresa linda, onde a minha sócia, com 71 anos de idade, é a grande administradora, a grande gestora da empresa, é quem conduz a empresa, uma empresa com sede própria, que tem todas as licenças, tem todas as certificações nacionais e internacionais. Uma empresa que trabalha toda regulada. Então, para mim, para a minha sócia, para todas as pessoas, foi uma surpresa”, completou.
A operação
Ao todo, são cumpridos 18 mandados de busca e apreensão, sendo 16 em São Paulo, um em Minas Gerais e um no Paraná.
Outro suspeito é Fabio Spínola Mota, que já foi preso por envolvimento nesse tipo de crime em operação da PF no Paraná. Na casa dele foram encontrados mais de R$ 100 mil em espécie. De acordo com a PF, ele seria o intermediador entre a indústria química e os produtores da droga.
O g1 tentou contato com a defesa de Fábio, mas, até a última atualização desta reportagem, não recebeu resposta.
O grupo é suspeito de desviar toneladas de um produto químico para produzir entre 12 e 16 toneladas de crack.
A operação é realizada em conjunto com Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO do MPSP) de São Paulo e a Receita Federal.
Produto químico usado para produzir o crack
Divulgação/PF
Histórico
A investigação começou em 2022, depois que uma empresa farmacêutica multinacional avisou a PF de que havia sido notificada pela Receita Federal sobre notas fiscais faturadas em nome dela com pagamento em dinheiro não declaradas.
A farmacêutica afirmou que nunca fez a aquisição do produto, que não tinha esses fornecedores e desconhecia os depositantes.
A partir de tais informações, a Polícia Federal iniciou a investigação e identificou que entre 2014 e 2021 o grupo emitiu e faturou notas em nome de três empresas grandes de forma fraudulenta: AstraZeneca, LBS e Cloroquímica.
A PF pediu prisão dos envolvidos, o Ministério Público foi favorável, mas a Justiça negou.
PF faz operação na casa do influenciador fitness Renato Cariani
Divulgação/PF
Adicionar aos favoritos o Link permanente.