Médico do RS suspeito de causar 42 mortes de pacientes é indiciado por homicídio


Polícia Civil concluiu três primeiros inquéritos envolvendo João Batista do Couto Neto. Segundo delegado à frente do caso, ainda restam 39 investigações de homicídio e 114 de lesão corporal envolvendo o cirurgião. Médico João Couto Neto, investigado pela polícia no RS
Reprodução
O médico João Batista do Couto Neto, suspeito de causar as mortes de 42 pacientes e lesões em outros 114 em Novo Hamburgo, na Região Metropolitana de Porto Alegre, foi indiciado por homicídio doloso (quando há intenção de matar) em três inquéritos. Essas primeiras investigações policiais foram remetidas ao Poder Judiciário no fim de novembro, mas a informação só foi divulgada nesta terça-feira (12).
✅ Clique aqui para seguir o canal do g1 RS no WhatsApp
O advogado Brunno de Lia Pires, que representa o médico, afirmou ao g1 que “não teve acesso ao relatório final e até o momento desconhece os termos do indiciamento”.
De acordo com o delegado à frente do caso, Tarcísio Kaltbach, os indiciamentos são decorrentes de apurações envolvendo a morte de dois homens e uma mulher. Segundo o titular da 1ª DP de Novo Hamburgo, ainda restam 39 investigações de homicídio e 114 de lesão corporal envolvendo o cirurgião.
“Procedimentos complexos, farta documentação a ser analisada, laudos a serem recebidos pelo Instituto Médico Legal (IML)”, explica o delegado.
Desde outubro deste ano, não há medida cautelar que impeça que João Couto volte a realizar cirurgias e intervenções invasivas. Havia uma decisão da Justiça, prevendo a proibição por 120 dias, cujo prazo expirou. “Embora não haja mais restrição, ele optou por não realizar [cirurgias], ao menos por ora”, sustenta o advogado do médico.
Médico João Couto Neto, investigado no RS
Reprodução/RBS TV
Relembre o caso
Couto é suspeito de ter causado a morte de 42 pacientes devido a procedimentos cirúrgicos e provocado lesões em outros 114. Pacientes e pessoas que trabalharam com ele relataram excesso de cirurgias por dia, procedimentos desnecessários e até diagnóstico de câncer raro falso.
Ele foi alvo de uma operação policial em dezembro do ano passado, ocasião em que foram cumpridos mandados de busca e apreensão no hospital em que atuava, localizado em Novo Hamburgo, bem como no apartamento em que vivia na cidade.
Na época, havia suspeita de envolvimento dele na morte de cinco pacientes e ainda por ter causado sequelas em outros nove. Documentos, celulares e equipamentos de informática foram apreendidos.
Em fevereiro deste ano, João Couto se registrou no Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp). Na ocasião, o Cremesp confirmou estar ciente de que o médico enfrentava uma suspensão em sua licença, mas que “é obrigado a efetuar o registro do médico” por se tratar de uma restrição parcial.
Policiais cumprem mandados em investigação contra médico no RS
Reprodução/RBS TV
Relatos de ex-pacientes
“Engoliu palito de dente”
Um paciente de 52 anos, que prefere não ser identificado, afirma que um pequeno desconforto no umbigo o levou ao consultório de João Couto Neto em um hospital em Novo Hamburgo. O tratamento de hérnia umbilical teve o acréscimo de uma retirada de pedra na vesícula. O homem foi liberado no mesmo dia. No entanto, em casa, ele disse que a recuperação foi um dos piores momentos da sua vida.
“Eu passei muito mal, uns dois dias, muito mal. Era vômito, vômito. Dor, muita dor. Dor que eu não desejo pra ninguém”, afirma.
Ele voltou ao hospital e foi submetido a uma nova cirurgia pelo médico. A companheira do paciente desconfiou da justificativa dada por Couto. O cirurgião teria sugerido que um palito de dente engolido poderia ter causado a lesão.
“Me perguntou se ele tinha o hábito de mastigar palito de dente, que ele poderia ter engolido um palito e ter furado. Eu disse que ele não tinha esse hábito”, conta.
Foi então que eles decidiram mudar de médico e de hospital. “Eu me desesperei, perdi a total confiança, até porque eu já ouvia de funcionários lá dentro me incentivando a trocar, porque a fama dele dentro do hospital não era boa”, diz a companheira do paciente.
“Tinha um câncer muito raro”
A motorista Simone Ferreira Campos afirma que foi operada há 11 anos pelo médico para retirar um nódulo no intestino.
“Retirou do meu intestino, segundo ele me falou quando eu voltei da anestesia, 10 centímetros para cima do nódulo e 10 centímetros para baixo do nódulo do meu intestino, pois eu teria um câncer muito raro que ele não saberia como tratar”, conta.
No entanto, após uma biópsia, foi comprovado que a paciente não tinha câncer.
“Veio como endometriose. Então, não tinha nenhum tipo de câncer, nenhum problema do meu intestino”, diz.
Fazia quase 30 cirurgias por manhã
Uma técnica de enfermagem que trabalhou no mesmo hospital que João Couto diz que o número de cirurgias diárias que o médico fazia chamava a atenção da equipe.
“Ele fez em uma manhã, 27 cirurgias, uma manhã só. Não é possível, porque teria que ficar parado esperando um paciente atrás do outro na mesma mesa. Não tem como, até porque a aparelhagem não é suficiente para isso, a instrumentação não é suficiente para isso”, afirma a profissional, que prefere não ser identificada.
Paciente de médico João Couto Neto no RS
Reprodução/RBS TV
VÍDEOS: Tudo sobre o RS
Adicionar aos favoritos o Link permanente.