‘Minha família está completa’, diz mãe ao reencontrar filhas que chegaram das Filipinas em Porto Alegre após seis anos separadas


Cherry Lunkes, natural das Filipinas, encontrou as duas filhas na última sexta-feira (8). As meninas, que estavam no país asiático, desembarcaram em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, após passar cerca de seis anos separadas da mãe. Após seis anos separada, família filipina se reencontra em Porto Alegre.
Reprodução / RBS TV
O reencontro de uma mãe com as duas filhas, na última sexta-feira (8), pôs fim na distância que as separavam há cerca de seis anos. Cherry Lunkes, natural das Filipinas, havia deixado o país asiático em 2017, rumo ao Brasil, em busca de melhores qualidades de vida. Ela esperava trazer as filhas Arshelle, de 10 anos, e Therese, de 14 anos, para o Rio Grande do Sul, em seguida. No entanto, só foi possível revê-las este mês, quando as crianças desembarcaram no Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre.
“É a realização de um sonho. É o meu sonho. Agora é verdade, minha família está completa”, comemorou.
📲 Acesse o canal do g1 RS no WhatsApp
Durante o tempo em que a família esteve separada, mãe e filhas mantinham o contato através de redes sociais, ligações e chamadas de vídeo.
“Demorou. Foi mais difícil do que eu imaginava. Agora, eu quero abraçar, beijar, sentir o cheiro delas”, desabafou Cherry, após ver as crianças, que foram trazidas na companhia da avó, Teresita.
Filipina que veio trabalhar no RS reencontra filhas após 6 anos morando longe
A viagem que marcou o reencontro levou cerca de 40 horas. A mãe comentou que as filhas ansiavam pelo momento em que estariam reunidas.
“Quando foi confirmada a compra da passagem na semana passada, elas já começaram a fazer as malas, deixaram roupa prontinha para viajar, porque elas estavam esperando também por bastante tempo”.
Família das Filipinas estava separada desde 2017 e se reencontrou no RS.
Reprodução / RBS TV
No período em que passou a morar no Rio Grande do Sul, Cherry se casou com Jeison Rodrigues Lunkes e, em 2021, iniciou carreira como analista de suporte. O processo para trazer as filhas até Porto Alegre contou com a ajuda da empresa na qual ela trabalha.
Para Fernanda Wink, supervisora de operações na mesma empresa em que Cherry atua, o momento foi emocionante.
“Ela entrou na empresa em agosto e com o tempo a gente foi se aproximando. Eu estou muito feliz por ela, eu acho que esse é um dos melhores dias da vida dela. E vai se tornar um dos melhores dias da minha vida também, porque eu nunca vou esquecer”, disse.
VÍDEOS: Tudo sobre o RS
Adicionar aos favoritos o Link permanente.