Voluntários flagram litros de água com coloração esverdeada e mal armazenados em central da Defesa Civil no RS


Voluntários que atuam no local, em Porto Alegre, dizem que itens ficam expostos ao calor e à umidade. Em momento crítico da enchente, cerca de 85% da população da capital ficou sem água. Voluntários flagram garrafas de água armazenadas ao ar livre em Porto Alegre
Voluntários que atuam na central de distribuição de doações da Defesa Civil estadual em Porto Alegre encontraram milhares de litros de água expostos ao ar livre, na parte externa do local. O armazenamento inadequado, que seguia até segunda-feira (24), deixou parte dos itens com cor esverdeada.
📲 Acesse o canal do g1 RS no WhatsApp
A água foi arrecadada no contexto das enchentes e dos temporais no Rio Grande do Sul, que deixaram 178 mortos, 34 desaparecidos e 806 feridos. Porém, ao longo das semanas, a necessidade pelo item diminuiu, gerando menos demanda, segundo a Defesa Civil.
“A oferta é muito grande, e a demanda não é equivalente. Em vários momentos é necessário usar espaços externos. Melhor deixar a água do que outros itens na parte externa. A gente tenta fazer a destinação rápida, mas se chega vencida ou com prazo a vencer não é necessário que se coloque, daí, em abrigamento”, disse o tenente-coronel da Defesa Civil, Daniel da Silva.
A cor esverdeada presente em parte das garrafas está associada ao surgimento de algas e de bactérias. O fenômeno pode comprometer a qualidade da água e causar riscos à saúde.
Água arrecadada para afetados pela enchente apresenta cor esverdeada
Reprodução/ RBS TV
A Defesa Civil justifica que as águas deixadas do lado de fora estão próximas do prazo de validade e que tem realizado a distribuição de garrafões para escolas, hospitais e instituições de caridade. No entanto, não consegue diminuir o estoque, que segue grande.
LEIA TAMBÉM:
Moradores de Eldorado do Sul voltam a sair de casa após bairros inundarem com aumento dos níveis do Guaíba e do Rio Jacuí
Limpeza e reconstrução: mais de 100 casas atingidas pelas enchentes recebem ajuda de mil voluntários
Guaíba se aproxima da cota de inundação, e Prefeitura de Porto Alegre fecha três comportas
Voluntária revela indignação
A voluntária Litania Fachinello partiu de Santa Catarina para auxiliar na reconstrução do estado. Ela se revoltou com a situação e filmou o local na semana passada.
“Eu imagino o quanto custou pra essa água chegar aqui. Olha as garrafas, gente, olha só”, disse, enquanto registrava os litros expostos.
Ela explica que conversou com outros voluntários para entender se tinham respostas para a situação. Entretanto, todos haviam se mostrado tristes e indignados com o caso.
Necessidade por doação de água para atingidos pela enchente no RS diminuiu
Reprodução/ RBS TV
Números da tragédia
Os temporais e as cheias que atingiram o Rio Grande do Sul entre o final de abril e maio deixaram 178 vítimas, segundo o mais recente boletim da Defesa Civil, divulgado na segunda-feira (24). O estado ainda contabiliza 34 pessoas que seguem desaparecidas e 806 que ficaram feridas.
Segundo o órgão, 388.781 pessoas seguem desalojadas (em casa de amigos e parentes).
Dos 497 municípios do estado, 478 registraram transtornos relacionados aos temporais, afetando cerca de 2,4 milhões de pessoas.
VÍDEOS: Tudo sobre o RS
Adicionar aos favoritos o Link permanente.