Ilê Aiyê divulga as 15 finalistas do concurso Deusa do Ébano 2024 na Bahia


Representante do bloco afro mais antigo do Brasil será escolhida no dia 13 de janeiro, em evento em Salvador. Participantes foram selecionadas nesta terça-feira (26)
Redes sociais
As 15 finalistas do concurso Deusa do Ébano do Ilê Aiyê foram selecionadas nesta terça-feira (26), em um evento na Senzala do Barro Preto, em Salvador. Uma das participantes será escolhida para representar o bloco-afro no carnaval de 2024. [Confira os nomes das candidatas ao final da matéria]
📱 NOTÍCIAS: faça parte do canal do g1BA no WhatsApp
Esta é a 43º edição do concurso, que tem como objetivo resgatar a autoestima da mulher negra baiana e brasileira.
As finalistas serão avaliadas de acordo com seus conhecimentos e posicionamentos sobre a cultura de matriz africana e sua estética, como os trançados dos cabelos, as estampas dos tecidos, a maquiagem e a arte de dançar.
LEIA TAMBÉM:
Se não fosse o Ilê Aiyê: bloco afro mais antigo do país se prepara para celebrar 50 anos
A Noite da Beleza Negra, evento onde a Deusa do Ébano 2024 será escolhida, está prevista para 13 de janeiro, na Senzala do Barro Preto. Além dela, outras duas finalistas serão premiadas.
Confira os nomes das finalistas:
Sarah Moraes dos Santos
Rafaela Rosa Silva Oliveira Leite
Stephanie M. Lobo Brito
Barbara Cristina Sá Sacramento
Nadine Ferreira Borges
Larissa Valéria Sá Sacramento
Cecília Cadile da Silva Santos
Lorena Xavier Silva Santos
Daiane de Souza Conceição
Caroline Xavier de Almeida
Isis Renata do E. S. D. Nascimento
Thuany Vitória Pereira Santana
Cibele da Silva Santos
Tainã de Palmares
Stephane Ingrid S. Santos de Deus
Saiba mais sobre o Ilê Aiyê
Ganhadeiras de Itapuã, Olodum e Ilê Ayê encerraram evento na Concha Acústica
Alan Tiago Alves/G1
Criado em 1974, o Ilê Aiyê é o bloco afro mais antigo do Brasil. Neste ano, o bloco celebra 49 anos de fundação e se prepara para o ano do cinquentenário sendo referência em negritude no país. Confira curiosidades sobre o “mais belo dos belos”:
✊🏾 O Ilê foi criado em 1º de novembro de 1974, quando Antônio Carlos Vovô, Apolônio de Jesus (1952-1992) e outros moradores do entorno da ladeira do Curuzu decidiram montar um bloco de carnaval formado apenas por negros. Até hoje, apenas pessoas negras podem desfilar no Ilê.
✊🏾 Desde sua fundação, o bloco se tornou referência na luta contra o racismo, fazendo uma representação positiva do negro e enaltecendo as raízes africanas da cultura nacional.
Dete Lima trabalha com turbantes há mais de 40 anos.
André Frutuoso/ Divulgação Ilê Ayiê
✊🏾Com música, dança, ilustração e vestuário, o Ilê ainda desenvolve projetos de extensão pedagógica.
✊🏾 Os fundadores do Ilê foram inspirados pelas lutas por direitos civis nos Estados Unidos, pelas guerras de libertação contra o colonialismo na África e pelos movimentos estadunidense Black Power e Panteras Negras.
✊🏾 Ao saber da iniciativa do filho Vovô e seus amigos, a ialorixá Mãe Hilda, do terreiro Ilê Axé Jitolu, aprovou a iniciativa, mas pediu que invés de “Povo Negro”, o bloco se chamasse Ilê Aiyê, que em língua iorubá significa “casa” (ilê) e “terra” (aiyê).
✊🏾O Ilê tem como objetivo do Ilê Aiyê ‘africanizar’ o carnaval de Salvador e transcende a festa. É tempo de exibir tranças, cabelos black e rastafári, batas africanas e búzios.
Veja mais notícias do estado no g1 Bahia.
Assista aos vídeos do g1 e TV Bahia 💻
Adicionar aos favoritos o Link permanente.